quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Os 40 anos de “Detalhes” de Roberto Carlos

Eu sempre falo que sou um grande fã de Roberto Carlos. Curto muito as fases da Jovem Guarda e a parte romântica até meados dos anos 80.

Hoje, vou destacar no blog um álbum muito especial na carreira dele, um dos que eu mais gosto e que está completando 40 anos: é o disco “Detalhes”, lançado em dezembro de 1971.

A Capa do Disco

Com certeza é um dos mais bem sucedidos da carreira do Rei. Praticamente metade do disco foi destaque nas rádios e no repertório de shows do cantor, algumas executadas até os dias de hoje.
Foi o primeiro álbum de Roberto Carlos a atingir a marca de um milhão de cópias vendidas.

Os belos arranjos do álbum ficaram a cargo do maestro norte-americano Jimmy Wisner.

A faixa número um do LP é “Detalhes” escrita por Roberto e Erasmo Carlos.
A música fala de um caso de amor encerrado, onde o homem, inconformado com o fim da relação, diz à sua amada que ela jamais conseguirá esquecê-lo, mesmo que exista outro alguém em sua vida.
Não adianta nem tentar me esquecer....

A faixa dois é “Como Dois E Dois”, canção em ritmo soul com letra de Caetano Veloso. Esclarece e rebate o fato de que estaria cantando sem sentimentos dizendo que pode cantar sem emoção, mas na composição põe sua emoção.
Caetano só a gravou oficialmente em 2007 no álbum: "Cê - Ao Vivo".
Tudo vai mal, tudo
Tudo é igual quando eu canto e sou mudo
Mas eu não minto, Não minto
Estou longe e perto
Sinto alegrias, tristezas e brinco...

Uma belíssima canção de amor: “A Namorada
A namorada à minha espera
Meu refúgio, meu regresso, minha vida, meu amor
Você, um lembrança, uma esperança
O sonho mais bonito, que viveu pra se acabar

A música quatro é “Você Não Sabe O Que Vai Perder”. Uma baladinha muito bacana.

Uma das músicas mais pessoais de sua obra é “Traumas“. Traz um lado mais intimista. Roberto disse que a canção surgiu de uma revolta dentro dele. Baseada nos problemas que ficam escondidos e que explodiram, onde não conseguia mais segurar as coisas que se passavam.
E no fim da letra, passou a compreender melhor os problemas.
 

Na música “Eu Só Tenho Um Caminho” ele fala do momento de mudanças e seguir o seu rumo.
Eu só tenho um caminho
Vou mudar meu rumo
Só se vive uma vez
Eu não posso ficar
Neste lugar comum

Outro musicão deste disco é “Todos Estão Surdos”. Foi a segunda música da carreira do cantor de tema religioso, após “Jesus Cristo”, de 1970
Desde o começo do mundo
Que o homem sonha com a paz
Ela está dentro dele mesmo
Ele tem a paz e não sabe
É só fechar os olhos e olhar pra dentro de si mesmo.”  

Esse é um dos maiores sucessos da carreira de Roberto Carlos: “Debaixo Dos Caracóis Dos Seus Cabelos”.  A letra é uma homenagem a Caetano Veloso. Foi composta como uma forma de ser solidário ao Caetano, que estava no exílio, em Londres, para onde foi deportado em 1969 pela Ditadura Militar.
Você olha tudo e nada
Lhe faz ficar contente
Você só deseja agora
Voltar pra sua gente 

Se Eu Partir” é uma canção lenta e triste, que conta o fim de um relacionamento. Contém uma letra marcante e profunda.
 Quem para mim sem mistério se entregou
Há de sentir que em sua vida ainda estou
Foi tanto amor que eu dei e tanto vai durar
Minha lembrança vai fazer você chorar

I Love You”. Mais uma canção de amor, porém alegre e descontraída. Ele usa uma voz diferente, mais grossa, e à primeira vista parece ser outra pessoa.

Outra música marcante do Rei “De Tanto Amor”. Apesar de falar de uma despedida, a letra é linda, na qual diz que amar demais também é um defeito, um erro.  
Me perdi de tanto amor, ah, eu enlouqueci
Ninguém podia amar assim e eu amei
E devo confessar, aí foi que eu errei

A última música do disco é a minha favorita de toda a carreira de Roberto Carlos: “Amada, Amante”. Gosto demais. O arranjo da canção é fantástico... a vibração e a emoção que Roberto Carlos coloca na música transforma numa obra genial. Impossível não se emocionar... Uma verdadeira canção de amor!

Ele escreveu a música sobre sobre as dificuldades para conseguir oficializar seu casamento com Nice, que era desquitada. Mas o casamento só poderia acontecer em um país que tivesse divórcio. A alternativa para o cantor, foi se casar na Bolívia, num sábado chuvoso, do dia 10 de maio de 1968.

Roberto Carlos não se conformava com o fato de não poder oficializar o amor que sentia por sua mulher, exaltando a subversão das leis que regem o matrimônio.
E a letra de "Amada Amante" fala exatamente disso:

"Esse amor sem preconceito
 sem saber o que é direito
faz as suas próprias leis"



Realmente, é um disco inesquecível na carreira do Rei Roberto Carlos.

Texto de Daniel Vito

Nenhum comentário:

Postar um comentário